Covid-19: Lista de conselhos úteis para ter em conta

Confira uma série de respostas a perguntas comuns sobre o novo coronavírus e a melhor forma de agir.
Confira uma série de respostas a perguntas comuns sobre o novo coronavírus e a melhor forma de agir.

Em Portugal é a Direção-Geral da Saúde que centraliza toda a informação referente ao Covid-19, que surgiu em Wuhan, na China, no final de 2019.

O número de novos casos diários confirmados de coronavírus no resto do mundo ultrapassou pela primeira vez o que se verifica na China, anunciou a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Há um conjunto de perguntas que vão surgindo diariamente, até pela aproximação de casas a Portugal, nomeadamente em Espanha e Itália. Deixamos a resposta a algumas questões, com base na informação disponibilizada pelas entidades oficiais, nomeadamente a DGS e SNS24:

O QUE É UM CORONAVÍRUS?

Os Coronavírus são uma família de vírus conhecidos por causar doença no ser humano. A infeção pode ser semelhante a uma gripe comum ou apresentar-se como doença mais grave, como pneumonia.

 

O QUE É ESTE NOVO CORONAVÍRUS?

O novo coronavírus, intitulado COVID-19, foi identificado pela primeira vez em janeiro de 2020 na China, na Cidade de Wuhan. Este novo agente nunca tinha sido previamente identificado em seres humanos, tendo causado um surto na cidade de Wuhan. A fonte da infeção é ainda desconhecida.

 

COMO SE TRANSMITE?

Ainda está em investigação a via de transmissão. A transmissão pessoa a pessoa foi confirmada, embora não se conheçam ainda mais pormenores. 

 

QUAIS OS SINAIS E SINTOMAS?

As pessoas infetadas podem apresentar sinais e sintomas de infeção respiratória aguda como febre, tosse e dificuldade respiratória.

Em casos mais graves pode levar a pneumonia grave com insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos e eventual morte.

EXISTE UMA VACINA?

Não existe vacina. Sendo um novo vírus, estão em curso as investigações para o seu desenvolvimento.

 

EXISTE TRATAMENTO?

O tratamento para a infeção por este novo coronavírus é dirigido aos sinais e sintomas apresentados.

 

COMO ME POSSO PROTEGER?

Não tendo sido reportados casos em Portugal, não estão indicadas medidas específicas de proteção, mas há questões práticas que deve ter em conta para reduzir a exposição e transmissão da doença:

- Evitar contato próximo com doentes com infeções respiratórias;

- Lavar frequentemente as mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes;

- Evitar contato desprotegido com animais selvagens ou de quinta;

- Adotar medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos; deitar o lenço de papel no lixo);

- Lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir.

 

É SEGURO ENCOMENDAR PRODUTOS DA CHINA?

Os coronavírus não sobrevivem por longos períodos em objetos. As pessoas que recebem encomendas ou cartas da China não estão em risco de ser infetadas pelo novo coronavírus (2019-nCoV).

 

COMO SE PREPAROU O SNS 24 PARA RESPONDER AO SURTO DO COVID-19?

Para responder ao surto deste coronavírus, o SNS 24 indica que se preparou a diferentes níveis:

Serviço de Triagem:

os algoritmos de triagem clínica foram atualizados para assegurarem um despiste adequado dos casos suspeitos de infeção por este novo coronavírus

sempre que necessário são ativados os mecanismos de resposta de casos suspeitos, através do contacto com a linha de apoio ao médico da Direção-Geral da Saúde, onde se encontram médicos que validam, ou não, o caso suspeito

em caso de validação do caso suspeito, são seguidas as orientações emitidas pela Direção-Geral da Saúde, nomeadamente, ao nível do transporte, isolamento e diagnóstico do doente

Serviço Informativo:

o SNS 24 (808 24 24 24) tem disponíveis conteúdos informativos, validados pela Direção-Geral da Saúde e em coerência com as autoridades internacionais, para esclarecerem a população.

 

O QUE É UM CASO SUSPEITO?

Com base na última informação da Organização Mundial da Saúde, define-se como caso suspeito de COVID-19 quando a pessoa:

- apresenta infeção respiratória aguda grave (febre, tosse e com necessidade de ser admitido num hospital) e não existem outras causas para o aparecimento dos sintomas:
    * e tenha viajado ou que tenha residido na China, nos 14 dias antes do início dos sintomas

- ou apresenta doença respiratória aguda e tenha estado em contacto com um caso confirmado ou provável de infeção por COVID-19, nos 14 dias antes do início dos sintomas

 

COMO VIAJANTE, O QUE DEVO FAZER?

Para viajantes regressados das áreas afetadas que apresentarem sintomas sugestivos de doença respiratória, durante ou após a viagem, antes de se deslocarem a um serviço de saúde, devem ligar 808 24 24 24 (SNS24), informando sobre a sua condição de saúde e história de viagem, seguindo as orientações que vierem a ser indicadas. 

 

POSSO VIAJAR PARA A CHINA?

A Organização Mundial da Saúde não aplicou quaisquer restrições ao tráfego internacional, com base nas informações atualmente disponíveis. Em caso de viagem deve seguir todas as recomendações disponibilizadas para os viajantes, que se encontram listadas na pergunta seguinte. Aconselha-se ainda que os viajantes registem as suas viagens na aplicação ? Registo Viajante.

 

QUAIS SÃO AS RECOMENDAÇÕES PARA OS VIAJANTES COM DESTINO À CHINA?

- seguir as recomendações das autoridades de saúde do país

- evitar contacto próximo com pessoas com sinais e sintomas de infeções respiratórias agudas

- lavar frequentemente as mãos, especialmente após contacto direto com pessoas doentes

- evitar contacto com animais

- adotar medidas de etiqueta respiratória:

- tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir

- utilizar um lenço de papel ou o braço, nunca com as mãos

- deitar o lenço de papel no lixo

Os viajantes regressados da China que apresentarem febre, tosse e eventual falta de ar (dificuldade respiratória) devem ligar para o SNS 24 (808 24 24 24) e seguir as instruções que lhes foram indicadas, não se deslocando aos serviços de saúde.

 

REGRESSEI DA REGIÃO DE LOMBARDIA, NORTE DE ITÁLIA, E ESTOU SEM SINTOMAS. O QUE DEVO FAZER?

A Direção-Geral da Saúde recomenda que evite contactos próximos com outras pessoas, avalie a temperatura duas vezes por dia e vigie os sintomas respiratórios nos 14 dias após regresso. Caso tenha febre, tosse e/ou falta de ar (dificuldade respiratória) deverá ligar para o SNS 24 (808 24 24 24) antes de recorrer aos serviços de saúde

 

REGRESSEI DA CHINA. SERÁ QUE DEVO ESTAR PREOCUPADO?

A Direção-Geral da Saúde recomenda a vigilância dos sintomas respiratórios (febre, tosse ou falta de ar) durante os 14 dias após o regresso. Se aparecerem sintomas deverá ligar para SNS 24 (808 24 24 24) antes de recorrer aos serviços de saúde.

 

AS PESSOAS QUE REGRESSAM DA CHINA DEVIAM SER RASTREADAS NO AEROPORTO?

Segundo a informação publicada, não existem evidências quanto à eficácia do rastreio de passageiros no aeroporto de chegada, a fim de prevenir a propagação do vírus. Está aconselhado dar informações simples e claras às pessoas sobre o que devem fazer se surgirem sintomas (febre, tosse ou falta de ar) nos dias seguintes à sua chegada.

Confira, na galeria de imagens, os principais conselhos disponibilizados pela Direção-Geral da Saúde:

O vídeo que pode ver mais acima é da Organização Mundial da Saúde e explica como surgiu o vírus, como se propaga e quais as medidas de proteção.

Toda a informação foi disponibilizada pela DGS e SNS 24, com base nas recomendações da Organização Mundial de Saúde.

26 fev 2020
Redação
Atualidade