Plácido Domingo pede desculpa às mulheres que o acusam de assédio sexual

O tenor sempre negou as acusações, mas agora pediu desculpa às mulheres que deram a cara para acusá-lo de assédio sexual.
O tenor sempre negou as acusações, mas agora pediu desculpa às mulheres que deram a cara para acusá-lo de assédio sexual.



O tenor espanhol Plácido Domingo, acusado nos Estados Unidos de assédio sexual por vinte mulheres, supreendeu todos ao pedir perdão por todo o sofrimento que possa ter causado. O pedido de desculpas foi feito em comunicado. "Quero que saibam que sinto sinceramente o sofrimento que lhes causei. Aceito total responsabilidade pelas minhas ações", disse o tenor, de 79 anos, que até agora sempre negou firmemente as acusações.

Numa investigação publicada em agosto pela agência Associated Press, nove mulheres alegaram ter sido assediadas pelo cantor no final dos anos 80. A Associated Press publicou uma segunda investigação em setembro, alegando que onze outras mulheres se apresentaram também como tendo sido vítimas do tenor.

No comunicado de imprensa divulgado ontem pela agência espanhola Europa Press, Plácido Domingo afirma "ter pensado nos últimos meses nas acusações" e indica "entender agora que algumas dessas mulheres podem ter medo de se expressar honestamente porque temem que as suas carreiras sejam afetadas".

O pedido de perdão de Plácido Domingo chega no dia seguinte à decisão do júri de Manhattan de considerar o produtor de cinema Harvey Weinstein culpado de agressão sexual e estupro, veredicto aplaudido pelo movimento #MeToo.

Após as acusações de assédio sexual, Plácido Domingo deixou em outubro a direção da casa de ópera de Los Angeles, que ocupava desde 2003.

O tenor também desistiu de se apresentar na Ópera Metropolitana de Nova Iorque, enquanto outras óperas americanas cancelaram as suas atuações, que no entanto continuam na Europa.

26 fev 2020
Redação / Agência Lusa
Música